Princípios do Treino

Princípios do Treino

Princípio da Sobrecarga

Para haver adaptação, o corpo humano deve ser obrigado a esforçar-se para além dos níveis normais de treino.

Por outras palavras: é necessário “sofrer” e submetermo-nos a a cargas a que não estamos habituados para conseguirmos progredir. Contudo, não significa que temos que   em todos os treinos nos temos que submeter a cargas inabituais, pois o treino de baixa intensidade é de enorme importância para a assimilação das cargas e para aumentar a resistência.

Assim, torna-se importante fazer um “check-in” regular (controlo do treino) de forma a garantir que os níveis de treino são re-ajustados de forma a poder realmente “condicionar” os níveis de condicionamento atuais.

 


 

Princípio da Progressão

Podemos olhar para a “progressão” na mesma lógica que se olha para a sobrecarga… O principio da sobrecarga está relacionado com a carga induzida ao atleta numa única sessão, a progressão refere-se ao desenvolvimento do atleta a curto, médio e longo prazo. Assim, é pressuposto que na periodização do treino o atleta seja desafiado regularmente para alcançar novos níveis de condicionamento físico, com o intuito de assegurar um maior desempenho desportivo.

Quanto de maior nível for o atleta, mais difícil é gerir todo este processo.


 

Princípio da Recuperação

Na realidade, a adaptação à carga (sobrecarga) de treino ocorre durante os períodos de descanso. Quando estamos a desafiar os nossos limites, estamos a colocar o nosso corpo numa situação de falência, assim, durante o período de recuperação o corpo experimenta uma “supercompensação” que resulta no ajuste a novos níveis de condicionamento.

Relembro que, não podemos contar estar sempre recuperados entre sessões de treino. Se aguardássemos pela recuperação total entre sessões, sobrava pouco tempo para treinar. É normal treinar cansado e com sensações de fadiga! Claro que, com as sessões de treino supervisionadas/planeadas por um profissional competente para o efeito.

Só assim, quando procuramos alcançar um bom momento de forma numa determinada data, e após sucessivos processos de carga e sobrecarga, podemos, após uma planeada fase de recuperação, sentirmo-nos verdadeiramente mais forte.


 

Princípio da Especificidade

Significa que, apenas iremos melhorar as estruturas e valências que realmente treinarmos. Assim, se pretendemos melhorar a nossa performance na bike, devemos procurar pedalar mais e com mais qualidade. Assim como, se o objectivo por optimizar a nosssa corrida, devemos investir o nosso tempo na corrida. Podem existir muitas outras modalidades, exercícios que terão alguma transferência para a modalidade que praticamos mas, nada supera o treino específico para a disciplina que pretendemos melhorar. E na prática da própria modalidade podemos encontrar fácilmente exercícios analíticos com esse fim, que por vezes procuramos em treinos “não específicos”.


 

Princípio da Reversibilidade

Este princípio tem a ver com o “uso vs desuso”. Em que se houver uma interrupção notória ou intermitente no programa de treino fará com que haja um retrocesso no processo adaptativo. Então, um bloco de treino que realizamos estruturadamente durante largos meses, e nos deu uma melhor condição física, perde-se rapidamente se houver uma interrupção no processo de treino.


 

Princípio da Individualidade

É talvez onde treinadores e atletas cometem normalmente mais erros. É lógico que um tamanho não “serve” para todos. O que normalmente se verifica é que quando um atleta tem uma óptima resposta a um programa de treino, a tentação é tentar fazer com que todos sigam o mesmo programa.

Assim como precisamos de considerar e incorporar todos os outros princípios do treino, a forma como planeamos todo o trabalho num sentido prático acaba por ser mais arte do que ciência. Um óptimo treinador identificará as diferenças e variações inatas de cada atleta e trabalhará conjungando essa análise com o conhecimento adquirido durante anos, por forma a encontrar a melhor ponto “receita” entre a teoria e prática, de forma a o preparar para um óptimo desempenho.


 

Nota final

É importante manter tudo em mente quando estamos a planificar um bloco de treino.

Um programa de treino sofisticado, por si só, não significa que seja eficaz.

Basta escolher um dos nossos ídolos do desporto que ele prontamente nos dirá que: houve várias sessões de treino que foram muito chatas, mas suficientemente boas para vencer determinadas competições.

 

Bons Treinos!

Tiago Aragão

Treinador de Endurance (Ciclismo, Triatlo Atletismo/TrailRunning)

Treinador Nível II Certificação TrainingPeaks

CEO – Centro de Treino e Avaliação Desportiva (Porto, Lisboa, Madeira, Brasil)

images  /coach/tiagoaragao

600px-Instagram_logo_2016.svg t_aragao/                   twitterlogo_1x.pngtiago_aragao

8d22fff92e7d5249d75a8f931a1618c6.pngtiagoaragao.com

Facebook_Home_logo_old.svg/tiago.aragao

email-envelope-concept_34259-135 tiago.aragao@tiagoaragao.com

No Comments

Post A Comment