Potência normalizada ou Potência média?

Potência normalizada ou Potência média?

Para ciclistas, triatletas e runner’s, a potência normalizada (NP – normalized power) é uma das métricas mais importantes e que carece de ser bem entendida, pois o seu contributo para a eficácia do treino é enorme.

Embora a sua compreensão pareça complexa é de crucial entender o que é a Potência Normalizada, e dar menos impotância a indicadores básicos e menos interessantes, como a Potência Média.

Assim, como treinadores, devemos ter um olhar fisiológico para cada parâmetro do treino, de forma a contextualizar e dar sentido ao propósito de cada treino e, nomeadamente, compreender a importância da NP.

Para desenvolver um estado de forma, é necessário submeter o atleta ao ”stress” (TSS) de diferentes sessões de treino. É a recuperação desse “stress” que transforma os nossos atletas e os leva a adaptarem-se, assimilar as cargas impostas, tornando-se mais fortes e resistentes, e assim, capazes de se submeterem a novo ciclo de treino, de maior intensidade/exigência.

As componentes do “stress” de treino são a intensidade, duração e frequência! Ou, ainda melhor:

  • que intensidade?
  • durante quanto tempo?
  • com que frequência?

Ou seja, falamos do “quão” difícil tem sido o treino nas últimas semanas. Situação que era difícil de aferir antigamente, mas que hoje em dia, com o recurso a potenciómetros, nos é facilitada pela análise do impacto desse “stress” quer pelo treino planeado e quer realizado. A potência traduz directamente o output de esforço do atleta, ao invés da FC, por exemplo, que traduz apenas o quanto nos estamos a esforçar (com o handicap de ser facilmente influenciável por inúmeros factores que invalidam muitas vezes a interpretação do treino).

A potência média traduz a média da variação da potência.

Analisar a oscilação da potência num determinado tempo é bastante simples. À primeira vista parece uma óptima forma de analisar um esforço, contudo é uma leitura bastante limitada.

Por exemplo:

Se rolarmos durante 1 hora com pouca ou nenhuma variação na produção de força – teremos por exemplo uma potência média de 200 watts. Porém, se na mesma hora realizarmos um percurso acidentado com vários intervalos (10 a 15) curtos (1’) entre 300 e 400 watts, com recuperações abaixo dos 200 watts, poderemos ter também uma potência média de sensivelmente 200 watts.

Analisando ambos os treinos com média de 200 watts, verificamos que a segunda opção deixa o atleta muito mais cansado e com necessidade de uma recuperação maior. Assim, do ponto de vista fisiológico, a potência média não é de todo suficiente para analisar o treino, pois não é tão sensível às recuperações de ritmo!! É aqui que verificamos a pertinência da utilização de uma outra métrica mais avançada para análise do esforço.

Potência Normalizada (NP)

É determinada através de um algoritmo complexo. Para simplificar a sua interpretação devemos ter mente que a NP tem em consideração no seu cálculo como são as variações de intensidade e o respectivo custo fisiológico que as mesmas representam para esse atleta. Ou seja, não se trata da média aritmética simples da variação da potência, mas sim, traduz o quanto difícil é para o atleta em questão essa variação de ritmo. Por isso mesmo, não é um valor absoluto, mas sim relativizado ao sujeito.

Assim, num esforço com grande variação de intensidade, a NP pode ser muito maior que a potência média. Uma NP elevada indica que fisiologicamente o treino foi mais exigente, do que a potência média pode indicar.

Devemos então dar especial importância à potência normalizada na medida em que a mesma é a utilizada para estimar o stress provocado pelo treino (TSS), e tem em consideração no seu cálculo o FTP/Lan do atleta.

O grande desafio para o treinador é planear para cada atleta a intensidade, duração e frequência de treino óptima, bem como a recuperação ideal, para maximizar a adaptação e condicionamento físico do atleta.

Muitos factores contribuem para o desempenho de cada atleta, a potência normalizada consegue-nos quantificar com mais rigor o esforço individual. Com o recurso à NP tanto o treinador pode planear melhor, como o atleta conduz o seu treino com dados mais fidedignos.

Através da potência normalizada, a dinâmica treino – recuperação fica personalizada às necessidades de cada um: maximizamos o tempo necessário para um atleta atingir a forma desejada e a alcançar os seus objectivos.

Exemplo real de um Atleta no Tour:

  • Contra relógio individual de 22,5 kms

Potência média – 378 watts (6,0 watts/kg)

Potência normalizada – 389 watts (6,16 watts/kg)

Diferença: 3,2%

  • Etapa em linha 181 kms

Potência média – 219 watts (3,78 watts/kg)

Potência normalizada – 292 watts (4,63 watts/kg)

Diferença – 33%

______________________________________

Bons Treinos

Tiago Aragão

Centro Treino Avaliação Desportiva

tiagoaragao.com

.

Assessoria em Treino Desportivo – CICLISMO | TRIATLO | RUNNING | ULTRA

Biomecânica(BikeFit) – Massagem/Fisioterapia – Nutrição – Personal Training

.

Info/whatsapp +351936502647

Web: tiagoaragao.com

.

#ctad #paincave #performedby #tiagoaragao #endurancecoach #cyclingcoach #runningcoach #triathloncoach #iromancoach #ciclismo #triatlo #cycling #triatlhon #ironman #ironmanportugal #cyclinglife #mtblife #cyclingtips #roadcycling #granfondo #mountainbike #mtb

No Comments

Post A Comment